Buscar no Blog

Carregando...

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Especial Dia do Saci: Superteste

fd

fd

Que tal relembrar o superteste do Saci?

Especial Dia do Saci: Saci na TV Globinho

Vídeo

Ciência com Monteiro Lobato

Ciência com Monteiro Lobato

 

Responda essa pergunta: você já leu Monteiro Lobato? Mas responda com sinceridade e observe bem a pergunta: não se trata apenas de saber se você conhece a obra de Monteiro Lobato (1882-1948). Se considerássemos apenas isso, já saberíamos a resposta. Ela seria sim, pois não há obra da literatura infantil brasileira mais explorada pela mídia. 

O Sítio do picapau amarelo foi adaptado para a TV inúmeras vezes. Desde a década de 1960, já foi transmitido, como série televisiva, pela extinta TV Tupi, TV Cultura, TV Bandeirantes e Rede Globo. E, ainda hoje, pode-se assistir ao programa por essa última emissora ou, como desenho animado, em canais pagos, como o Cartoon Network. 

Portanto, não há dúvidas de que todo mundo conhece – ou pensa conhecer – o Sitio do picapau amarelo e seu autor. O fato, no entanto, é que aquilo que se conhece da obra de Monteiro Lobato ‘via TV’ é apenas um fragmento. Justamente aquele que foi selecionado e adaptado segundo os pressupostos da ‘linguagem televisiva’ ou, ainda, com base na ideia preconcebida do que seria do interesse do público, em especial das crianças. 

No Sítio que conhecemos pela TV, e mais recentemente por meio das séries de histórias em quadrinhos que também foram lançadas, quase nada entra do conteúdo científico que Monteiro Lobato incluía em suas histórias

Muita coisa legal e importante de Monteiro Lobato ficou, assim, de fora das adaptações de sua obra. Entre elas, a ciência. No Sítio que conhecemos pela TV, e mais recentemente por meio das séries de histórias em quadrinhos que também foram lançadas, quase nada entra do conteúdo científico que Monteiro Lobato incluía em suas histórias. 

Talvez você não saiba, mas o autor era fascinado por ciência e considerava que a disseminação da informação científica e o próprio ensino de ciências seriam ótimos caminhos para o avanço e o desenvolvimento da sociedade brasileira. 

Suas histórias infantis contêm muita ciência e podem, justamente por isso, ser excelentes recursos no ensino, em atividades que aliem ciência e literatura. Podem, também, auxiliar na formação de professores das séries iniciais do ensino básico, que se queixam de formação insuficiente nessa disciplina.

Instrução e diversão garantidas

Para isso, no entanto, seria necessário conhecer melhor sua obra. É preciso esquecer as versões ‘pasteurizadas’ do Sitio do picapau amarelo, nas quais se deu mais destaque aos aspectos do folclore brasileiro e das aventuras imaginativas dos personagens, em especial da boneca Emília, e debruçar-se sobre as versões originais. Mais ainda: procurar ler os livros infantis menos conhecidos de Monteiro Lobato e usá-los com as crianças. 

Se você fizer isso, vai se deliciar e aprender e ensinar muita ciência. É garantido. 

Para quem gosta de ciências naturais, História das invenções, O poço do Visconde eSerões de Dona Benta são fascinantes.  

Visconde de Sabugosa
O Visconde de Sabugosa é o personagem que, ao longo da obra de Lobato, vai encarnando a figura do cientista. (imagem: portaldoprofessor.mec.gov.br)

Em História das invenções, o autor conta, pela boca do personagem Dona Benta, a história do mundo, desde o surgimento do universo até a invenção da boneca Emília e do próprio Visconde de Sabugosa, o personagem que ao longo da obra de Lobato vai encarnando a figura do cientista. 

Nesse livro, em especial, o escritor introduz os princípios elementares que sustentam a teoria científica sobre o surgimento e a evolução da vida na Terra; descreve o surgimento da espécie humana e o modo de vida dos hominídeos; fala da importância da invenção da agricultura e do valor da criatividade e adaptabilidade humanas. Detalha, especialmente, como surgiram e evoluíram os artefatos humanos, apresentando-os como extensões dos órgãos e das capacidades humanas. 

Você já pensou sobre isso? Que uma moradia, como um alto edifício, nada mais é do que uma extensão de nossa pele que tem a função de nos abrigar? Ou, ainda, que os óculos, o telescópio, o microscópio, as câmeras fotográficas e todos os demais artefatos óticos são extensões do olho humano, assim como todos os utensílios manuais, entre eles as armas, são prolongamentos de nossas mãos, e as rodas, a canoa, os barcos a vela e a vapor, os balões e os aviões, bem como todos os meios de transporte, são extensões de nossos pés ou adaptações culturais que nos tornam mais eficientes no desempenho de nossas funções biológicas? Em última instância, já refletiu sobre o fato de que todas as invenções são extensões do cérebro humano, ou seja, de nossa capacidade imaginativa?

Temas variados

Pois bem, Monteiro Lobato pensou sobre isso e transmite essa ideia às crianças leitoras de História das invenções, fundamentando-a com informações sobre o processo de evolução biológica e cultural da humanidade, de uma forma completamente inovadora e deliciosa, relacionando-as e entrelaçando-as. Fornece, assim, nesse livro, de forma muito atrativa e lúdica, aulas básicas (e essenciais) de astronomia, biologia e antropologia às crianças. Além disso, as instiga a pensar, em uma abordagem da ciência que os professores dessa disciplina deveriam conhecer melhor e buscar imitar, pois tornariam as aulas muito mais interessantes. 

O mesmo acontece em Serões de Dona Benta, quando o autor introduz os leitores nos princípios básicos da química e da física, ou em O poço do Visconde, quando ele apresenta a geologia. Também acontece em Viagem ao céu, Emília no país da gramática, Geografia de Dona Benta, Reforma da natureza e Aritmética da Emília, apenas para citar as obras mais diretamente interessantes para quem está na área de educação em ciências. 

Se quiser usar Monteiro Lobato para ensinar ciências deve, no entanto, ter cuidado: não se esqueça de que a obra literária desse autor data de mais de 50 anos atrás e de que há nela algumas ideias e informações que já se encontram ultrapassadas e que precisam ser ampliadas e discutidas

Se você se interessar por ler Monteiro Lobato e quiser usá-lo para ensinar ciências deve, no entanto, ter cuidado e seguir uma recomendação: não se esqueça de que a obra literária desse autor data de mais de 50 anos atrás e de que há nela, portanto, algumas ideias e informações que já se encontram ultrapassadas e que precisam ser ampliadas e discutidas.  

Para se evitar aprendizagens equivocadas, é necessário, portanto, considerar essas ideias, abordando-as e tomando-as também como recursos de reflexão e de aprendizagem. 

Mas, se você fizer isso, perceberá que algumas das ideias presentes na obra de Monteiro Lobato, que inadvertidamente poderiam ser consideradas ‘erradas’, refletem, de fato, ideias de senso comum e concepções alternativas ainda mantidas entre nós e, em especial, entre nossos alunos. São ideias, portanto, com as quais estamos constantemente lidando e que é melhor tê-las como aliadas da aprendizagem, discutindo-as em aula, do que como inimigas ocultas, a minar o trabalho proposto.

Como já discutimos aqui, é preciso lembrar que a construção da ciência (e do conhecimento de modo geral) é um processo contínuo de elaboração e reelaboração de ideias, conceitos e teorias, que se sucedem e se aprimoram ao longo do tempo. Por isso, para ensinar ciência adequadamente, não podemos deixar de abordar os caminhos tortuosos que muitas vezes se percorrem ao praticá-la, revelando a história de sua construção e reconstrução permanentes. 

Mais que isso, depois de ler Monteiro Lobato, só resta um conselho para ensinar bem ciência: é preciso fazê-lo de modo claro e prazeroso. Como diz Pedrinho à Dona Benta: a ciência de que se gosta não é necessariamente aquela que está nos livros de ciência, complicada e difícil. É aquela “falada”, “contada”, “clarinha como água do pote”, que contempla “explicações de tudo quanto a gente não sabe, pensa que sabe, ou sabe mal e mal”.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Especial Halloween: Curiosidades 2002

Depois que os episódios do Sítio começaram a ser escritos por Walcyr Carrasco, a Globo realizou uma ampla divulgação dos novos episódios do Sítio. Muitas propagandas eram passadas nos intervalos comerciais da Globo. Tudo porque a Globo reprisou episódios na história Memórias do Picapau Amarelo e precisava divulgar os episódios novos.

Abaixo uma das propagandas exibidas em 2002.

 

Propaganda 2002

Site do Gloob tem canal de vídeos do Sítio!

fdO Site do Canal Gloob terminou com sua reformulação. A Página do Sítio está mais interativa e agora possui canal de vídeos para os visitantes. Até agora o canal não adicionou novos vídeos. Ficou muito mais fácil! Não acha?

Especial Halloween: Vídeo

Narizinho vira pedra em 2007

domingo, 26 de outubro de 2014

Especial Halloween: Lobisomem 2002

Especial Halloween: Vídeo

Que tal relembrar os monstros na Convenção das Bruxas

Especial Halloween: Vídeo

Cuca em ação no episódio O Rodeio

sábado, 25 de outubro de 2014

Halloween: Entrevista com Jacira Santos, a Cuca de 2001

 

Vamos relembrar essa entrevista?

Você se diverte com a personagem?

Jacira:Quero mais que ela seja querida pelas crianças.

Como é o figurino da Cuca?

Jacira: Ela está mais fashion, com uma roupa que mistura jacaré e mulher. Ganha movimentos faciais, com olhos e bocas vivos, mas a maldade continua a mesma. Ela é toda atrapalhada e mora na gruta. Lá ela esconde tudo, só o Saci tem acesso à caverna.

Quando você criança tinha medo da Cuca?

Jacira:Eu tinha um pouco, mas, ao mesmo tempo, o fato de ela ser um boneco me encantava.

Como você se inspirou para fazer a Cuca?

Jacira:Para fazê-la, procurei lembrar do que vivi, peguei fitas antigas na Globo e voltei a ler Monteiro Lobato.

Notícia realizada em 2002

Especial Halloween: Lobisomem 2001

 

Quem lembra desse?

Especial Halloween: Vídeo

Cuca em 2007

Cinema na Vila

 

A Vila agora está mais estrelada. É que foi inaugurado o novo Cinema, ali perto do Posto de Saúde.

Entre os filmes exibidos: desafios de português, contações de história. Tudo muito divertido e educativo.

Emília, Pedrinho, Visconde, Narizinho, Marquês de Rabicó e Saci já estão sentados nas poltronas, aguardando a sua chegada.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Especial Halloween: Vídeo

Cuca e Carochinha conversam no episódio A Bela e a Fera

Especial Halloween: Vídeo

Cuca no episódio A Lenda do Rei Arthur